30.6.08

Yeasayer, ciclos circadianos e o Alentejo.

A 2080 de Yeasayer faz-me estar acordada

I can't sleep when I think about the times we're living in

desde que vim a conduzir o carro do Ilo de Évora a Lisboa, enquanto ele e o Rod dormiam (um ao meu lado, outro no banco de trás) e eu, sempre que a canção acabava, carregava furiosamente no botão que a fazia tocar de novo. Conduzi durante uma hora e quase meia e a 2080 tem cerca de 5 minutos, portanto, fazendo uso da aritmética, devo tê-la ouvido umas dezassete vezes, mais coisa menos coisa.

Foi também bom quando, à ida, o Ilo pôs a tocar o All Hour Cymbals tão alto que eu não conseguia ouvi-los a conversar nos bancos da frente e fiquei a ouvir a Sunrise enquanto olhava pela janela, com as cores junto ao Tejo, aquele verde esbatido de terra alagada a se transformar calmamente em planície dourada alentejana, os postes de electricidade com os ninhos de cegonha cheios de crias, as casas sobre os montes, esparsas, distantes, intocáveis.

Mas nada bate trautear

It's a new year, I'm glad to be here
It's a fresh spring, so let's sing
In 2080 I'll surely be dead
So don't look ahead, ever look ahead

porque muito pouca coisa faz publicidade ao presente como estes quatro versos. Roça a perfeição e eu fico mais desperta.

(As duas canções podem ouvir-se no myspace.)

1 comment:

Daniela said...

Não conhecia. Passei a conhecer. Gostei. É bom descobrir.